Princesa Isabel, a Redentora



Clique no título abaixo para saber mais sobre a Princesa Isabel:

- Princesa Isabel, marcante personagem na História do Brasil (Dom Luiz);

- Oração pela beatificação da Princesa Isabel;

- A religiosidade católica da princesa Isabel, a Redentora;

- Beatificação da Princesa Dona Isabel;

- Princesa Imperial - Isabel Cristina Leopoldina;

- Conheça a história de Santa Isabel da Hungria e de Santa Isabel de Portugal, antepassadas da Princesa Isabel, a Redentora.

Princesa Isabel, a Redentora

Amados irmãos e irmãs em CRISTO e Maria,


Esta página foi criada para honrar e perpetuar a memória da Princesa Isabel, a Redentora, exemplo de brasileira, figura ímpar, modelo de governante, católica, extremamente devota a Deus , esposa, mãe, mulher forte e piedosa, exemplo perfeito de grande dama brasileira, cujo processo de beatificação foi iniciado em dezembro de 2011. A Princesa Isabel ofereceu os maiores sacrifícios pela sua Pátria.

Vários fatos históricos atestam a santidade da Princesa Isabel. Muitos não sabem, mas na época a campanha abolicionista contava com o apoio de vários setores da sociedade e o fim da escravidão era uma necessidade nacional. A princesa aliou-se aos movimentos populares e aos partidários da abolição da escravatura. No Brasil, a princesa abraçou com fervor religioso ainda maior a causa da abolição. Acolheu e alimentou escravos fugitivos em seu palácio. Fomentou campanhas e criou livros de ouro para a subscrição de doações, com o objetivo de angariar fundos para a compra de alforrias. Sua motivação cresceu a partir de 1887, quando o episcopado brasileiro, afinado com as orientações papais, promoveu intensa campanha abolicionista. Eram tensas as relações do ministro Barão de Cotegipe, que era a favor da escravidão, com a princesa. Para não adiar o fim da escravidão, a princesa assinou a demissão do Barão e nomeou o Conselheiro João Alfredo para o seu lugar. Em abril de 1888, um mês antes da assinatura da Lei Áurea, ela entregou 103 cartas de alforria para alguns escravos, deixando claro que esperava da Câmara federal a aprovação da lei, o que, de fato, aconteceu. No dia 13 de maio de 1888, finalmente D. Isabel assinava a lei Áurea, que dizia: "A partir desta data ficam libertos todos os escravos do Brasil".

A Princesa Isabel usava sua posição privilegiada para ajudar os necessitados. Promovia concertos, bazares e leilões, mobilizando diversas redes de colaboradores, no Brasil e no exterior. Os recursos angariados eram destinados aos necessitados em maior evidência em cada momento: os refugiados da Guerra Franco-Prussiana (1870-1871) na Inglaterra, as vítimas da Grande Seca do Nordeste brasileiro (1877-1879) e os feridos nas batalhas da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

E não é só isso, outros fatos demonstram a dedicação, o trabalho e o exemplo seguido pelo seu pai,o Imperador Dom Pedro II que assim como ele trabalhava, exigia dos servidores que trabalhassem, no mínimo oito horas por dia. Uma cena inusitada, mas concreta aconteceu em Guaratinguetá, em 1884: Uma princesa de vassoura na mão varrendo a igreja? E ainda jogando no corpete de seu vestido o pó recolhido do chão? A personagem era a herdeira do trono de D. Pedro II, a princesa Isabel, que cumpria uma promessa feita anos antes à Virgem Aparecida. A graça alcançada era ter gerado filhos. Em Petrópolis, a princesa também era vista frequentemente limpando templos católicos. De fato, ela se consumia em atividades religiosas. Cantava no coral da igreja, participava da adoração ao Santíssimo Sacramento, cuidava da ornamentação do altar. Não raro, passava o dia todo na igreja e sempre fazia serviços humanitários.

Outro fato marcante da vida da Princesa podemos ler num trecho de conversa entre a Princesa Isabel e o Barão de Cotegipe (o Barão a estimava, embora estivessem em desacordo na questão da escravidão): Ela perguntou-lhe: “Então, Senhor barão, V. Excia. acha que foi acertada a adoção da lei que acabo de assinar?”. Ao que o barão, com muito carinho, respondeu: “Redimistes, sim, Alteza, uma raça, mas perdestes vosso trono...”.

Na partida para o exílio, a Princesa Isabel passando junto à mesa onde havia assinado a Lei Áurea, bateu nela o punho fechado e disse: “Mil tronos houvera, mil tronos eu sacrificaria para libertar a raça negra”.

Foi deposta e deportada do Brasil por defender valores, como a libertação dos escravos. Ela morreu sem poder rever seu amado País.

Morreu sem poder voltar ao Brasil. Representou na França o que havia de melhor do Brasil. Muito mais do que nosso corpo diplomático, muito mais do que nossos homens de negócio, ela foi um exemplo do que o Brasil era ou deveria ser. E a França entendeu isso. Assis Chateaubriand escreveu, em Juiz de Fora, a 28 de julho de 1934:

“Apagada a sua estrela política, depois de vencida a tormenta da abolição, ela não tinha expressão dura, uma palavra amarga para julgar um fato ou um homem do Brasil. No mais secreto de seu coração, só lhe encontrávamos a indulgência e a bondade. Este espírito de conduta, esse desprendimento das paixões em que se viu envolvida, era a maior prova de fidelidade, no exílio, à pátria distante. Mais de 30 anos de separação forçada não macularam a alvura dessa tradição de tolerância, de anistia aos agravos do passado, que ela herdara do trono paterno. [...] Foi no exílio que ela deu toda a medida da majestade e da magnanimidade do seu coração. [...] Ela viveu no desterro [...] como a afirmação de Pátria, acima dos partidos e dos regimes. Debaixo da sua meiguice, da sua adorável simplicidade, quanta fortaleza de caráter, quanto heroísmo, quantas obras valorosas”.


Princesa Isabel aos 5 anos


Princesa Isabel aos 12 anos

Dom Luis de Orleans e Bragança falando de sua bisavó, a Princesa Isabel: “Essa foi a insigne mulher que nosso Brasil registra em sua história. Ela não foi uma intelectual. Foi princesa e patriota até o fundo da alma. Uma senhora que tinha consciência de ter nascido para o bem de um País. E encarnou essa missão na Pátria e no exílio até o fim de sua existência. Foi um modelo de princesa, de imperatriz e de católica. Ela foi o tipo perfeito de grande dama brasileira”.

São inúmeros fatos beneméritos que atestam a santidade e a nobreza de alma da Princesa Isabel que não cabem nesta simples página.

Por isso, conclamamos a todos os homens e mulheres de boa vontade e que amam o Brasil, para que façam memória da Princesa, rezando a Oração pedindo a Beatificação da Princesa Isabel, a Redentora:

Oração pedindo a Beatificação da Princesa Isabel, a Redentora

Voltar